Quais doenças podem ser detectadas em uma ressonância magnética?

Saiba também quais cuidados tomar antes de fazer este exame.

05/12/2019
12443
Quais doenças podem ser detectadas em uma ressonância magnética?

Em alguns casos clínicos, a ressonância magnética é solicitada. Este exame é feito por meio de uma máquina de campo magnético que extrai imagens de alta definição dos órgãos a serem investigados.

Esta forma de diagnóstico por imagem integra uma especialidade chamada de medicina nuclear. Ela serve para investigar órgãos, ossos e tecidos do paciente de forma não invasiva e indolor.

O campo magnético utilizado na ressonância magnética consegue ordenar os movimentos das moléculas de água do corpo e, através da emissão de pulsos de radiofrequência, permite a formação de imagens detalhadas e de alta qualidade das mais diversas estruturas do corpo humano, possibilitando o diagnóstico preciso de uma grande variedade de doenças.

Confira algumas das regiões do corpo que são atingidas pela ressonância magnética e quais doenças podem ser detectadas:

  • Cérebro: pode detectar aneurismas, tumores, lesões por trauma, derrame, esclerose múltipla, distúrbios do olho e ouvido interno, além de doenças neurológicas, como o Mal de Alzheimer.

  • Coração: é aplicada para analisar a estrutura do órgão, incluindo o seu tamanho, a espessura de suas paredes, o movimento que elas realizam, o funcionamento de cavidades cardíacas, o fluxo sanguíneo, possíveis aneurismas e lesões originadas em doença cardíaca.

  • Ossos e articulações: oferece informações sobre lesões ocasionadas por traumas ou esforços repetitivos, que podem atingir ossos, cartilagens e ligamentos, incluindo tendinites, discos na coluna e tumores.

  • Mama: a ressonância é um exame auxiliar à mamografia na detecção do câncer de mama e no acompanhamento da doença.

  • Outros órgãos: investiga qualquer tipo de anormalidade em órgãos como pâncreas, pulmões, rins, fígado, próstata, útero e baço.

Quais são os tipos mais comuns de ressonância magnética?

  • Ressonância magnética da pelve, abdômen ou tórax: serve para diagnosticar tumores ou massas em órgãos como útero, intestino, ovários, próstata, bexiga, pâncreas, ou coração, por exemplo;

  • Ressonância magnética do crânio: ajuda a avaliar malformações cerebrais, hemorragia interna, trombose cerebral, tumores cerebrais e outras alterações ou infecções no cérebro ou nas suas veias;

  • Ressonância magnética da coluna: ajuda a diagnosticar problemas na coluna e medula espinhal, como tumores, calcificações ou fragmentos de ossos, após fraturas.

  • Ressonância magnética de articulações, como ombro, joelho ou tornozelo: serve para avaliar os tecidos moles dentro da articulação, como a bursa, tendões e ligamentos.

Quais cuidados tomar para fazer o exame?

A pessoa que passa pelo exame de ressonância magnética é orientada a ficar deitada e parada. Movimentos do paciente impossibilitam a captação de imagens precisas e, geralmente, um movimento de mais de três milímetros inutiliza os dados*.

Geralmente, o exame dura entre 15 minutos a duas horas. O aparelho de ressonância não utiliza radiação, porém, uma vez que ele tem um potente campo magnético, é preciso tomar cuidado para não utilizar, durante o exame, adereços como joias, objetos metálicos, maquiagem e outros.

As instruções detalhadas do exame são passadas pelos profissionais responsáveis pela sua realização. Lembre-se: a segurança é uma questão muito importante na realização da ressonância magnética. Algumas pessoas, como as que utilizam marca-passo ou pinos nos ossos, por exemplo, não podem realizar o exame.


*Fonte: https://telemedicinamorsch.com.br/blog/como-se-faz-ressonancia-magnetica

Veja mais postagens!